FAPI – O passado glorioso de uma feira que se transformou

E aos convidados, que milhares são,
eu sirvo sem favor minha riqueza,
na mesa farta de uma exposição.

Feira de mim, que de outra é sempre ensaio,
pois se repetirá com realeza,
anualmente, assim, no mês de maio
No mês de maio – Luciano Correia da Silva

Há 52 anos Ourinhos realiza a sua Feira Agropecuária e Industrial, a FAPI. O evento está na memória de quem frequentou, nas conversas de família, nas lembranças das roupas compradas especialmente para o evento. As recordações variam. Dos encontros na “escadaria do parque”, das histórias contadas por crianças ansiosas assistindo a transformação de uma mulher em Monga, a mulher gorila, da alegria de brincar no parque, comer maçã do amor ou da sensação de medo ao passar a mão em um animal de grande porte. A FAPI também motivou encontros, e muitos casais se conheceram ali. A memória afetiva está repleta de cheiros, cores e outras sensações que a realização da feira proporcionou a inúmeras gerações.

Como tão bem descreveu o poeta Luciano Correia da Silva nos versos acima, a cidade vivia a FAPI antes mesmo do seu início, e cada edição era como um ensaio antecipado para o próximo ano. A proximidade do evento mobilizava a região e pessoas viajavam muitos quilômetros para visitar a feira. Uma verdadeira multidão tomava conta do espaço, e caso alguém se perdesse, em alguns minutos o sistema de som anunciava a localização do desgarrado. O locutor também emprestava sua voz para transmitir recadinhos apaixonados.

As amigas Solange Ribeiro Ferreira, à esquerda, e Lurdinha Pereira, ambas com o uniforme do Instituto Horácio Soares, em registro da 1ª FAPI, em 1967.
Em 1968, faquir ficou oito dias trancado em urna de vidro deitado em cama com 3.860 pregos. (Jornal O Progresso de Ourinhos, Maio de 1968)

Muito além dessas recordações, a FAPI foi lugar de se fazer negócios, comprar e vender animais ou equipamentos. Se para o grande público os imensos tratores e máquinas agrícolas eram motivo de curiosidade, para outros era a possibilidade de realizar um bom investimento. Resultado do amor e do trabalho de centenas de pessoas que se empenharam na sua realização, a FAPI ocupa um espaço privilegiado na história da cidade.

Recorte do jornal O Progresso de Ourinhos anuncia atrações da 1ª FAPI, edição de 22 de abril de 1967.
Cartaz da FAPI de 1985: foco em negócios.

A primeira edição aconteceu de 15 a 21 de maio de 1967, no Ginásio Monstrinho. O evento teve grande repercussão, e o Jornal O Estado de São Paulo dedicou uma página para sua divulgação. Mas a semente havia sido plantada um ano antes. Uma ata da Associação Comercial de Ourinhos registra reunião realizada no dia 22 de julho de 1966, em que o assunto foi discutido. Naquela ocasião, o engenheiro agrônomo Dr. José Caetano Sobrinho “fez uma longa explanação do plano em execução para realizar em dezembro a primeira exposição agroindustrial de Ourinhos”. Foi dele a responsabilidade de dirigir a primeira edição do evento.

Preparação: vista aérea da área onde foi realizada a 1ª FAPI, no Ginásio do Monstrinho.

No início a agricultura foi o forte da feira; a presença de animais expostos e a realização de leilões e concursos ganharam força a partir de 1970. Naquela época o trabalho agrícola dos imigrantes japoneses em Ourinhos se destacava, e a participação da colônia foi decisiva.

A 1ª Fapi, do lado de dentro do ginásio do Monstrinho.
O primeiro dia da 1ª FAPI.

Cerca de 150 japoneses participavam, e eram oferecidos prêmios (medalhas, broches) para o agricultor que se destacava pela qualidade dos produtos. Fernando Nagae foi um desses expositores, e na entrevista publicada no livro Um olhar sobre a presença japonesa em Ourinhos, de Marco Aurélio Gomes e Neusa Fleury, ele conta: Tínhamos o interesse apenas de fazer uma exposição bonita: essa era a alegria, era o povo ver o que a gente produzia”.

Troféu de 1º lugar do Concurso de Feijão, da 2ª Fapi, ano de 1968.

Nos primeiros anos o evento foi realizado pela Prefeitura Municipal, em parceria com diversas entidades ourinhenses. Entre 1972 e 2013, com exceção dos anos de 2002 a 2004, o Sindicato Rural de Ourinhos assumiu a realização da Fapi.

___continua após publicidade___

Anuncie no Biz (14)99888-6911

Eduardo Luiz Bicudo Ferraro, conhecido como Brigadeiro, esteve pela primeira vez na cidade, a passeio, quando acontecia a primeira FAPI, em 1967.  Durante a terceira edição do evento começou a namorar sua primeira esposa, casou e fincou pé em terras ourinhenses, ajudando a organizar o evento, através do Sindicato Rural por mais de 20 anos. “Fui aprendendo com o Fernando Quagliato, que era apaixonado pela FAPI. A feira cresceu muito graças aos apoios que ele conseguia. Ele tinha credibilidade, as pessoas participavam pela confiança que tinham nele”, lembra Brigadeiro, sem esconder a saudade.

Fernando Quagliato, Brigadeiro, Dr. Fábio Meirelles e Benedito Pimentel.

Brigadeiro contou que as negociações para que a área de 10 alqueires onde está instalado o Parque Olavo Ferreira de Sá – de propriedade de Jenny Moraes Ferreira de Sá – fosse doada para a Prefeitura foram intermediadas por Fernando Quagliato e Roberto Constante. “Na época estavam fazendo a terraplanagem para construção da Transbrasiliana, a BR 153. O Fernando e o prefeito Mithuo Minami conseguiram que as máquinas fizessem o trabalho de terraplenagem da área onde seria instalada a Feira. Também foi o Fernando quem planejou os espaços, os patamares diferentes…”.

Reportagem do Diário da Sorocabana fala que “três locais estão na mira” para receber, futuramente, a FAPI.

O telefone tocou durante a entrevista que o Jornal Biz fez com Brigadeiro. Alguém queria saber se ele ainda tinha ingressos para determinado show. Apesar de explicar que não está mais envolvido com o evento, seu nome sempre é lembrado quando se fala da FAPI.

___continua após publicidade___

A alegria que os japoneses sentiram em mostrar seus produtos nas primeiras edições da feira continuou sendo o sentimento que motivou funcionários do Sindicato Rural a vencer as dificuldades para realizá-la, ano após ano. “Sabemos das dificuldades financeiras da Prefeitura, que dava o recinto e assumia algumas despesas possíveis. Fizemos o evento com diversos prefeitos, com respeito mútuo. Os expositores que vinham em um ano voltavam no seguinte, tínhamos amizade, conhecíamos todos”. Como nas relações familiares, a relação de amizade era comemorada com comida.

Foto aérea mostra o recinto durante a realização da FAPI no ano de 2010.

“Fazíamos jantares e oferecíamos para os profissionais que trabalhavam no recinto, para os integrantes da imprensa da região, para os amigos parceiros. Chegamos a fornecer 15 mil refeições gratuitas durante o evento”, contou Brigadeiro, relatando o ambiente de cordialidade que foi o segredo do sucesso da FAPI durante tantos anos.

Voz e violão: momento em que Roberto Carlos cantou “Detalhes”, em show na FAPI no ano de 1988.
2013, último ano do Sindicato Rural como realizador da FAPI: entrada e shows gratuitos.

Os shows com artistas famosos começaram a acontecer depois que a FAPI foi transferida para o Parque Olavo Ferreira de Sá, em 1972, e povoam lembranças de quem assistiu. Em 1987 trouxemos o Roberto Carlos, numa noite de muita chuva. Sempre gostei de dançar. Quando soube que o Ray Connif estava no Brasil, vibrei com a possibilidade de trazer o grupo para um show na FAPI”, o que aconteceu em 1996, contou Brigadeiro.

Grandes shows gratuitos atraiam multidões.
Ray Conniff e Orquestra, um show inesquecível em 1996.

Com tantas histórias, é impossível não se lembrar de fatos engraçados: “Um ano trouxemos o Fabio Jr. Ele estava no auge. Estava na frente do Sindicato conversando com amigos quando chegou alguém avisando que o Fabio Jr. exigia cravos brancos no camarim. ´Se não tiver cravos brancos ele não canta..´ Pedimos pra ligar nas floriculturas, mas não conseguiram encontrar, não tinha na cidade. Aí chegou alguém e disse que tinha morrido um parente da dona Jenny: ´Foi enterrado ontem, e no velório tinha uns buquês de cravos brancos´. Foram no cemitério buscar e o camarim foi enfeitado”, contou, rindo.

“Para nosso eterno presidente. O homem que encarnou a alma da Fapi”, homenagem a Fernando Quagliato em 2005. À direita, o ex-prefeito Toshio Misato.

Presidente do Sindicato Rural e da FAPI durante muitos anos, Fernando Quagliato foi responsável pela fase áurea dos leilões e concursos de animais. “Vinha gente do Brasil inteiro. Tínhamos um concurso de quarto de milha que durava três dias, de quinta a domingo. Os bois da raça nelore mais caros do mundo também foram expostos aqui”.

Pecuária foi o forte da feira por muitos anos.

Se tudo na vida muda, a FAPI também tem se transformado, e atualmente o evento é realizado pela Prefeitura Municipal e uma empresa privada.  Com o afastamento do Sindicato Rural, hoje não se veem mais as referências agrícolas e pecuárias durante os dez dias da feira.

Chegada da cavalgada ao recinto, na década de 1990.
Concursos de animais eram conhecidos em todo o Brasil.
Na década de 1990, a Petrobrás instalou stand do recinto e mostrou petróleo bruto aos visitantes. Grandes marcas como Mercedez Benz, Massey Ferguson, Scania e Bradesco foram parceiros por muitos anos.

___continua após publicidade___

Cartaz da FAPI de 1974
Cartaz da FAPI em 2010

Nesta 52ª edição, a FAPI oferece entretenimento através dos brinquedos do parque de diversões e shows, além do comércio de variedades. As construções erguidas para abrigar animais aos poucos vão sendo demolidas ou sua função substituída. A presença e parceria das entidades assistenciais ourinhenses que durante anos marcaram presença oferecendo refeições ou lanches também foi rareando. Mas a FAPI continua sendo vitrine para políticos e aspirantes, como sempre foi.

Arena de shows ontem, 13, show da dupla Jorge e Mateus.

Das antigas versões, restam as memórias de quem viveu ou trabalhou na FAPI. O slogan “A festa da família” ou “Orgulho de nossa gente” tentou exprimir a sensação de pertencimento e união que fez a feira ourinhense ser conhecida em todo o país.

Presidentes: Jorge Wallace Simonsen Junior, Roberto Constante, Brigadeiro e Fernando Quagliato. Entre os anos de 1971 e 2013, eles ocuparamm a presidência da FAPI em 39 edições.

Brigadeiro diz que, apesar das alegrias que viveu organizando a Fapi, a tarefa era muito exaustiva, e sentiu que era a hora de parar: “Perdemos muitos companheiros, gente que se dedicou muito. O Fernando Quagliato, Roberto e Arnaldo Constante…foi ficando muito difícil”, afirma, dizendo que torce para que a FAPI continue acontecendo, e que descubra um novo caminho.

“O nome de Ourinhos foi divulgado no mundo todo”.

Perguntamos qual legado a FAPI deixa para a cidade. Ele respondeu: “Do jeito que está hoje eu não sei. No nosso tempo o nome de Ourinhos foi divulgado para o mundo todo”.

Para produzir este texto, a equipe do Jornal Biz pesquisou em: Arquivos do Sindicato Rural de Ourinhos, Jornais A Voz do Povo, Diário da Sorocabana e O progresso de Ourinhos, disponíveis em http://www.tertuliana.com.br/docs/acervo, arquivo do Jornal O Estado de São Paulo, “Poemas do vale”, de Luciano Correia da Silva, “Um olhar sobre a presença japonesa em Ourinhos”, de Marco Aurélio Gomes e Neusa Fleury Moraes. A equipe entrevistou Eduardo Luiz Bicudo Ferraro, o “Brigadeiro”.

Imagens: Museu Municipal, Acervo Sindicato Rural, Luiz Carlos Seixas, Bernardo Fellipe Seixas, Abner Tinello, Acervo pessoal de Solange Ribeiro Ferreira, site Tertuliana.

ESTEJA SEMPRE BEM INFORMADO! Envie “Quero notícias do Jornal Biz + (seu nome)” do seu WhatsApp para (14)99888-6911 e receba em primeira mão as notícias de Ourinhos e região.

CURTA O JORNAL BIZ NO FACEBOOK
Instagram @JornalBiz
Twitter @jornal_biz

Clique aqui e leia os outros episódios da maior série jornalística sobre o primeiro centenário de Ourinhos.

Leia também

Expositores mais antigos comentam mudanças na Fapi

Fapi termina com edição marcada pela polêmica