No começo era um Fusca

0
135
Foto: Hilton Franco

por Neusa Fleury

Um fusca vermelho viaja pelas estradas poeirentas do norte do Paraná no início dos anos 1970. No carro, além dos passageiros, amontoam-se vários equipamentos de iluminação cênica, figurinos e cenários. Narciso Pires é o motorista e dono do fusca, mas  seu nome “de guerra” é Marcelo. Naqueles tempos, em plena ditadura militar, ele era procurado pela polícia, acusado de comunismo e subversão. No fusca, além do motorista e das tralhas, iam o ator Marcelo Negrão, o contrarregra LucenteSérgio Nunes Faria.

A época da repressão foi de grande inspiração para músicos e atores, e festivais de teatro amador revelaram novos grupos no interior do Estado. No meio dessa efervescência, o diretor de teatro Sérgio Nunes Faria mantinha um grupo em Ourinhos e encarou o desafio de montar Escorial, de Michel de Guelderode. Era para levar esse espetáculo por cidades do Paraná que o grupo se amontoava no fusca vermelho, conhecendo povoados que hoje se transformaram em cidades importantes como Jardim Alegre e Lupion. “Nessas duas cidades ficamos abrigados nas igrejas locais, pois eram elas que nos contratavam. Eram lugarejos em formação, com ruas de terra batida”, lembra Marcelo Negrão, fotógrafo que hoje vive em Araraquara.

O Bufão e o Rei, personagens do texto, às vezes tinham interpretação alternada entre Marcelo Negrão e Sérgio Nunes. “Essa talvez tenha sido a última vez em que Sérgio atuou, e fez isso com deslumbramento único”, contou Marcelo.

Espetáculo Édipo Rei, Soarte, 1995

Muitos anos depois, em 1993, nascia o Grupo Soarte em Ourinhos, pelas mãos do mesmo Sérgio Nunes Faria, que passou a vida semeando núcleos de teatro pelos lugares por onde andou. O Soarte encenou dezenas de espetáculos, mesclando infantis, musicais, clássicos da dramaturgia universal e temas da cultura popular brasileira, numa produção intensa e diversificada.

Em 2008, com a morte de Sérgio, a região se viu órfã de um de seus maiores e mais completos artistas, mas o grupo Soarte se reinventou, iniciando nova fase, sob direção de Leandro Faria.

Um Panorama, da Fiat, com mais de quinze anos de uso, faltando manivelas para fechar os vidros e com um buraco no assoalho roda pelo asfalto das rodovias Raposo Tavares e Orlando Quagliato no ano de 2006. No carro, além dos passageiros, amontoam-se vários equipamentos de iluminação cênica, figurinos e cenários. Marcelo Piraju é o produtor e motorista, e o carro foi comprado com o dinheiro de cachês recebidos pelos atores em espetáculos. No velho Panorama, além do motorista e das tralhas, iam o diretor Sergio Nunes, o ator Leandro Faria e Chapolim, o contrarregra e iluminador. Era para levar “O viajante trapalhão”, adaptação de texto de Mário de Andrade, que o grupo se amontoava indo para cidades como Chavantes, Ipaussu, Santa Cruz do Rio Pardo ou Salto Grande, apresentando-se para crianças de escolas públicas.

O espírito inquieto de Sérgio Nunes continuava norteando o destino daqueles  jovens atores. Depois de alguns anos viajando por cidades da região, o produtor Marcelo Piraju percebeu que o grupo poderia alçar voos maiores, e a partir de 2009 a aventura – agora de Van fretada – já percorreu os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina, além de São Paulo e Paraná.

O ator e diretor Leandro Faria

Leandro conta sobre a produção do grupo: “Temos sete espetáculos no repertório: A terceira margem do rio, baseado no conto de Guimarães Rosa, Os órfãos de Jânio, de Millôr Fernandes, O testamento do cangaceiro, de Chico de Assis são para o público adulto; e os infantis Vim ver Maria, sobre violência sexual infantil, Mata ciliar, a protetora dos riosO perigo não tem cara, sobre DST Aids e Tempo de criança, sobre exploração do trabalho infantil.

As viagens tem proporcionado ricas experiências para o grupo: “Em alguns lugares as crianças são mais espontâneas e se comunicam melhor. Mas sempre somos recebidos com carinho”,  relata. Apresentar um espetáculo que aborda o tema da violência sexual infantil provoca reações diversas. “É um assunto que incomoda. Já houve casos de crianças que falaram para os professores que passavam por situação parecida com a que foi mostrada”, conta Leandro, acrescentando que enfrentaram preconceito entre os profissionais da educação. “Em uma ocasião, fomos contratados pela Secretaria de Assistência Social de uma cidade para apresentar o espetáculo. Só que a Secretaria de Educação não levou os alunos na hora da peça, alegando que o tema não era adequado. É uma pena, privaram as crianças de compreender um assunto tão importante e impediram ações de prevenção”, denuncia.

A atriz Magali Flore no espetáculo “Vim ver Maria”.

Além de dirigir o Grupo Soarte, Leandro Faria coordena uma oficina de teatro, que em 2014 estreou O testamento do cangaceiro. As oficinas são importantes para a continuidade do grupo. “É uma reciclagem necessária para que o grupo permaneça em atividade por mais tempo”, explica. Os encontros acontecem no Núcleo da Cultura Popular, barracão da ferrovia situado no centro de Ourinhos. “Temos dificuldades com o espaço, que tem sido ocupado pelo Soarte desde 1993. O grupo merece uma sede, afinal já são vinte e um anos dedicados ao desenvolvimento cultural da cidade”.

O transporte hoje é feito com mais conforto, e a van viaja com equipe formada entre seis a dez pessoas. O cenário e figurinos são concebidos para caber nesse tipo de transporte. Sobre as constantes viagens, Leandro revela: “Somos uma família, nos conhecemos há muitos anos. Para conviver bem, aprendemos a respeitar o espaço do outro”.

Anuncie no Jornal Biz (14)3026-4666

Leandro Faria atua e dirige, mas tem dificuldades em definir qual das duas funções é mais prazerosa: “São experiências diferentes. O ator empresta seus sentimentos e seu corpo para o personagem, e aquele momento é único, pois o teatro nunca se repete. Essa sensação só o ator pode sentir. Já o diretor precisa organizar o time e provocar as discussões que vão levar o ator a encontrar o caminho para a criação do personagem. É preciso distanciamento para conseguir ver o todo e apontar caminhos. Sou fascinado pelos dois trabalhos”, confessa.

O tempo passou, mas grupo Soarte mantém vivos os ideais de seu criador. Segundo Leandro, “a herança que recebemos do Sérgio Nunes foi a vontade de fazer teatro independente das dúvidas e dificuldades, além do amor pela arte e a generosidade de passar o conhecimento”.

Original por Tertuliana, parceiro do Jornal Biz.

Curta o Jornal Biz no Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here