Desemprego: Ourinhos tem menos de 30% da população ocupada

0
725
Foto: MTE

Em dados econômicos, a região do Vale do Ribeira é a mais pobre do Estado. Infelizmente a região de Ourinhos têm índices bastante parecidos.

Quando se verifica o número de pessoas ocupadas e desempregadas, a região de Peruíbe, no litoral sul, tem os piores índices. Barra do Turvo tem apenas 8,8% de pessoas que se declaram ocupadas; Iguape tem 10,5% e Eldorado possui 10,8%.

Fonte: IBGE

A população ocupada compreende as pessoas que tinham trabalho na semana anterior à da entrevista, ou seja, os indivíduos que tinham um patrão, os que exploravam seu próprio negócio e os que trabalhavam sem remuneração em ajuda a membros da família.

Na região próxima a Ourinhos, algumas cidades têm números considerados baixíssimos. Em Ibirarema apenas 10,8% da população se declara ocupada. Em Ubirajara o número é de 11,5%, e em Timburi 13,5%. Os dados são do Ministério do Emprego e Trabalho.

O desemprego no Brasil alcançou taxa de 12,7% em 2017, que equivale a 13,23 milhões de trabalhadores. É o maior número de pessoas sem trabalho nos últimos cinco anos. Desde 2012, quando o IBGE começou a realizar o levantamento, a taxa de desemprego teve o menor índice em 2014, quando foi de 6,8%.

Em dezembro passado, Ourinhos registrou saldo negativo de 513 empregos. O índice negativo se justifica porque houve 461 contratações e 974 demissões. Segundo o IBGE, 30,9% da população ourinhense recebe até meio salário mínimo por mês (bruto).

A situação de desemprego e baixa remuneração revela histórias sofridas: Maricélia Bonfim Rocha tem 37 anos e já trabalhou como empregada doméstica, auxiliar de limpeza e zeladora. Há um ano, num intervalo de apenas 10 dias, seu marido morreu e ela perdeu o emprego.

“Está sendo muito difícil. Desde janeiro do ano passado vivo de fazer algumas faxinas e da ajuda da minha ex-sogra e de igrejas que doam cestas básicas”.

Para ela, o desemprego é causado pela crise econômica. “Diminuiu muito a procura por faxinas. Gente que antes tinha empregada que trabalhava todos os dias, agora só contrata para um dia por semana.Tenho que pagar pra alguém cuidar do meu filho pequeno porque não consegui vaga em creche, e preciso pagar o transporte até o trabalho. Às vezes as patroas querem pagar tão pouco pela faxina que nem compensa sair de casa”.

Maricélia é baiana, mas vive em Ourinhos há 25 anos. “Tomara que venham mais indústrias e empresas boas para Ourinhos, senão vou ter que ir embora da cidade”, lamenta, completando: “Fico triste, sou mais ourinhense que baiana”.

Em dezembro, apenas Canitar teve saldo positivo entre contratações (07) e demissões (03).

No levantamento do IBGE, considerando uma população de 111.813 habitantes, Ourinhos registrou 29.197 pessoas ocupadas. Isso significa que penas 26,5% da população tinham ou tem um trabalho fixo remunerado. Em Santa Cruz do Rio Pardo a taxa sobe para 36,2%. Na região, Chavantes (16,9%) e Ibirarema (10,8%) tem os piores índices.

Apesar de trabalharem há vários anos, algumas pessoas continuam engrossando os números de “desocupados” no IBGE. É o caso da santacruzense Natália Miranda, 19 anos. Ela começou a trabalhar com 14 anos entregando pastéis e lavando pratos em uma barraca na feira de Santa Cruz do Rio Pardo. Depois fez bicos como babá, garçonete, faxineira e, atualmente, se divide trabalhando num lava-rápido durante a semana e atendente em food truck de sexta a domingo.

Aos finais de semana, Natália trabalha em um food truck em Santa Cruz.

Determinada e persistente, Natália é aluna no 2º ano do curso de história da Universidade Estadual do Norte Pioneiro (UENP), de Jacarezinho. Seu relato mostra uma situação que é comum entre os jovens: Apesar de terem formação, não conseguem empregos melhores.

“Tenho vários cursos profissionalizantes, como técnico em açúcar e álcool, informática, espanhol eauxiliar administrativa, mas infelizmente continuam chamando apenas para vagas de limpeza”, lamenta.

Apesar do tempo como trabalhadora, Natália ainda não tem registro em carteira.  Mas ela não perde a esperança: “Quando terminar a faculdade pretendo dar aulas aqui na cidade e fazer especialização”.

Luiz Cotta já trabalhou com manutenção de computadores e teve o próprio negócio no ramo de confecção. Aos 22 anos, estuda Direito nas Faculdades Integradas de Ourinhos (FIO) e é estagiário na Câmara Municipal de Ourinhos. Apesar de saber das dificuldades enfrentadas para se conseguir emprego, ele acredita que a situação vai mudar no país.

“Infelizmente, hoje não se tem onde procurar emprego em Ourinhos além do Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT). As empresas da cidade estão estagnadas, mas acho que a Copa do Mundo e as eleições vão aquecer a economia. Aqui em Ourinhos as coisas vão começar a caminhar melhor: temos empreendimentos que vão gerar empregos”.

A falta de oportunidades em Ourinhos é tanta que gera até piadas em redes sociais.

Postagem da página Ourinhos Mil Grau.
Postagem da página Ourinhos Mil Grau.

Fonte de pesquisa: Ministério do Trabalho e Emprego, Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Estado de São Paulo, CAGED, IBGE.

Leia também | Topa tudo por trabalho: brasileiros aceitam salários menores e postos sem carteira de trabalho para driblar desemprego 

CURTA O JORNAL BIZ NO FACEBOOK