Como vai ser 2019? Babalorixá ourinhense faz previsões

0
784

Nos últimos dias de 2017 o Jornal Biz publicou reportagem com o babalorixá ourinhense Pai Sidney, que assina Sid ty Logunèdé, do terreiro afro-brasileiro Ilê Asé Omi Ojú Arô, com suas impressões sobre o ano que se iniciaria. Muitas de suas previsões foram concretizadas, como a que prenunciava alto índice de suicídio entre os jovens.

___continua após publicidade___

Pai Sidney fundou a Casa de Culto e Candomblé localizada no Jardim Ouro Verde, em Ourinhos. Foi iniciado no candomblé ainda criança, levado pela mãe, quando lutava contra uma doença grave da qual se curou.

Católico praticante, ele explica que os orixás presentes no candomblé não são santos como os que existem na religião católica.

“As pessoas interpretam assim, fica mais fácil entender do que o abstrato. Não temos essa parte de espírito, nós cultuamos a natureza: a folha, a água, o mar, o trovão, o raio… Na minha Casa de Candomblé só não tem mar…. o resto da natureza nós temos referências aqui, até pedra de vulcão nós temos. Esses elementos são energias que nós cultuamos. Energias do mundo, aqui temos um pouco de cada coisa”.

Fonte com carpas e outros peixes.
Grande variedade de plantas.

O Jornal Biz entrevistou pai Sidney, que conta como será o ano que vai começar:

Biz – Como será o ano de 2019?

Este ano será comandado pelo orixá Ogun, o senhor da guerra, das batalhas e da luta. Com isso, logicamente, teremos muito conflitos. Porém, acredito que existe um lado positivo nisso, e muitas máscaras devem cair, muitas coisas erradas virão à tona, as pessoas verão os erros dos outros de uma maneira mais intensa. As cobranças também serão maiores, o que vai trazer muitos conflitos. O lado positivo é que teremos grandes oportunidades para quem quiser estudar, será possível desenvolver com mais facilidade. A tecnologia estará cada vez mais presente, com grandes avanços, principalmente nos seis primeiros meses do ano. Ainda teremos muitos conflitos em relação a racismo e preconceito, provocados pela intolerância. O que eu mais peço a Deus e aos orixás é que as pessoas se respeitem mais. Religião não é pra ser discutida. A intolerância religiosa está dividindo o mundo. A religião é para unir, e, no entanto, estamos vendo que isso não acontece, como se Deus fosse diferente em cada religião. Isso é muito triste. É preciso respeito.

Jogo de búzios.

Biz – Sobre o alto índice de suicídios entre jovens, que o sr. previu o ano passado e infelizmente foi concretizado:

Eu tinha avisado, e torno a dizer. Serão muitos suicídios ainda, infelizmente. As pessoas não estão mais brigando com os outros, mas consigo mesmas, o que é triste demais. A falta da presença familiar e de respeito e compreensão de quem está perto, pioram essa situação. O ser humano precisa se apegar mais à família, é preciso mais união. A família precisa se fazer presente, isso pode colaborar para melhorar essa situação de desencontros e angústias.

Oferenda para os orixás.

Biz – Sobre as alterações climáticas em nossa região, o que nos reserva o ano novo?

Ainda teremos problemas muito sérios. Coisas que não aconteciam nesta região vão acontecer, como chuvas muito fortes. O mundo está devolvendo o que fizemos para ele. Ele mostra sua revolta com catástrofes ambientais.  Teremos algumas, infelizmente.

___continua após publicidade___

BGNET (14)3326-1461 | Clique para ver mais.

Biz – Sobre a política ourinhense, o que o sr. tem a dizer?

Teremos o surgimento de novas lideranças, mas muitos conflitos também. Nosso prefeito poderá conseguir coisas boas, desde que ele também se una à família, não só à família pessoal dele, mas à família ourinhense.

Mesa onde Pai Sid atende as pessoas e joga búzios.

Biz – E sobre o novo presidente? Como será o governo Bolsonaro?

O presidente vai tentar um governo de conciliação, mas para isso precisa da união da população. Como estamos muito intolerantes, isso vai trazer conflitos, e ele não terá um governo fácil.

Poderemos ter mudanças a partir do meio do ano, se conseguirmos aprender a viver melhor, a nos respeitar e amar mais. Isso é possível a partir do segundo semestre. É preciso respeito. É um ano de guerra, de briga, é preciso combater isso com amor e respeito.

Confira abaixo a reportagem que o Jornal Biz publicou em dezembro de 2017 sobre as previsões de Pai Sidney para 2018.

Conheça as previsões de um babalorixá ourinhense para 2018

CURTA O JORNAL BIZ NO FACEBOOK
Instagram @JornalBiz
Twitter @jornal_biz