100 Anos Ourinhos: Quando o cinema era a diversão

A terra tomava conta das ruas da cidade e os filmes ainda eram mudos quando os ourinhenses se reuniram para assistir a primeira sessão de cinema.

Sobre a data exata não há registro, mas sabe-se que no início dos anos 1920, Ourinhos contava com uma sala de cinema, o Cine Municipal, na Avenida Altino Arantes. Depois dele, na Praça Mello Peixoto, surgiu o Cine Tizim, como era conhecido o Cine Central, fundado por Narciso Migliari. “Tizim” era o apelido de Narciso, pai do ex-prefeito Lauro Migliari.

Músicos em frente ao Cine Cassino, o principal cinema da cidade até meados de 1940.

Foi nessa mesma década que surgiu aquele seria o principal cinema até o início dos anos 1940: o Cine Cassino. Fundado por Álvaro Rolim, o Cine Cassino ficava no cruzamento da Rua São Paulo com Expedicionário, que na época se chamava Piauí. Em imagem dos primeiros tempos do Cine Cassino, é possível identificar os músicos que executavam a trilha sonora ao vivo durante as sessões. Quem guarda boas recordações do cinema é Tibério Bastos Sobrinho, hoje com 95 anos: “Era um cinema modesto, de cidade do interior, um prédio tosco, mas que acomodava o povo. O pessoal se divertia, isso deixa saudades”. Ele diz que apesar da simplicidade da sala, as sessões eram muito concorridas.

“Eu não namorava no cinema, era muito ingênuo”, diz Tibério.

“A cidade não comportava coisa melhor, não existia calçamento e o sistema de água era muito precário. Os destaques eram os filmes de cowboy e Tarzan. O cinema era uma atração”. Mas a diversão também era limitada pelos costumes da época: “Eu não namorava no cinema, era muito ingênuo”, diz ele sem disfarçar um sorrisinho.

“O namoro era muito fiscalizado, mas de vez em quando a gente pegava na mão, tudo direitinho”, lembra seu Tibério, que trabalhou por muitos anos na prefeitura de Ourinhos, onde se aposentou.

Mais tarde, no dia 2 de setembro de 1944, quando a Europa ainda sofria com os efeitos da guerra, foi inaugurado o Cine Ourinhos. E o conflito mundial era o tema do filme escolhido para a sessão de inauguração: Fugitivos do Inferno, uma superprodução hollywoodiana estrelada por Errol Flynn e pelo ator estreante, e futuro presidente norte-americano, Ronald Reagan. No registro do fotógrafo Francisco de Almeida Lopes, a calçada da Rua Nove de Julho aparece tomada pelo público que aguardava aquela sessão histórica, que contou com a presença de autoridades locais, como o prefeito Hermelino Agnes de Leão.

Sessão de inauguração do Cine Ourinhos em 2 de setembro de 1944. Ao centro, de branco, o prefeito Hermelino Leão

À frente do Cine Ourinhos estava aquele que teria seu nome para sempre associado ao cinema da cidade: Romeu Silva. “Seu Romeu do cinema”, como era conhecido, veio de Botucatu para trabalhar no Cine Cassino. Com a inauguração do Cine Ourinhos, assumiu também a gerência da nova sala.

Romeu Silva esteve à frente do Cine Cassino e posteriormente assumiu também a gerência do Cine Ourinhos.

Ao seu lado, a esposa Glorinha, responsável pelas famosas balas de café que fizeram sucesso entre os frequentadores. Ao final daquela década o cinema já contava com três sessões nos fins de semana. Além dos filmes, o Cine Ourinhos também era palco de apresentações teatrais. Na edição de 1º de dezembro de 1945, o Jornal A Voz do Povo trazia uma nota sobre a última apresentação do “Ventríloquo Professor Chandin e seus oito bonecos falantes”.

Além da exibição de filmes, vários artistas se apresentavam no palco do Cine Ourinhos – Jornal A voz do Povo 01/12/1940

Quem cresceu frequentando as matinês do Cine Ourinhos, certamente se recorda das comédias de Mazzaropi, dos faroestes e dos filmes do Tarzan. Antonio Romane ainda era criança e aproveitava as sessões para trocar gibis na porta do cinema: “Lembro-me da troca de gibis (eu preferia os “desenhos”) na porta do cinema, só podíamos entrar com três nas mãos, mas escondíamos alguns por baixo da camisa – se o gordo Tufi pegasse, adeus Pinduca e Bolinha. O que fazia o Tufi além de colecionar tanto gibi tomado? O filme não importava muito, mais importante era a sequência do seriado: será que o mocinho vai salvar a mocinha?”, recorda com saudade o jornalista que viveu sua infância e adolescência em Ourinhos.

O jornalista Antonio Romane

Num período em que a televisão ainda não reinava nos lares da cidade, filmes e histórias em quadrinhos faziam a cabeça da molecada. Para os mais velhos, ir ao cinema era também uma possibilidade de iniciar ou consolidar um namoro.

“Logo, logo eu descobriria que era alérgico a laquê… Eu, que não gostava daqueles filmes açucarados de Hollywood, mas, sabe como é, o que não se fazia por um sorriso da moçoila?”, diz Romane.

Exclusivo Jornal Biz: Leia crônica de Antonio Romane sobre o cinema em Ourinhos.

Outra lembrança do jornalista são os filmes japoneses que eram exibidos semanalmente no Cine Ourinhos: “Então vieram os filmes japoneses, eu frequentava as sessões assiduamente; ali descobri o Kurosawa de Viver”. Para Romane, aquela foi uma “época dourada” do Cine Ourinhos, e se recorda da euforia dele e dos amigos quando “saíam da sessão depois de assistir a um filme tão aguardado”.

Cine Peduti Ourinhos

Ainda com o Cine Ourinhos em funcionamento, a cidade ganharia uma nova sala de cinema, mais bem equipada, ampla e com poltronas estofadas. No início da década de 1960, o Cine Peduti foi construído no local conhecido como largo da Matriz, hoje esquina da Rua Antônio Carlos Mori com Arlindo Luz. O novo cinema foi inaugurado no dia 15 de junho de 1967, com capacidade para 1315 pessoas.

A estreia do filme Dr. Jivago no Cine Peduti foi anunciada com destaque- Jornal O Progresso de Ourinhos 24/03/1968

Em sua fase final, no início dos anos 1980 e já em plena decadência, a programação do Cine Ourinhos ficou por conta das pornochanchadas, uma satisfação para os hormônios agitados dos maiores de dezoito anos. Aos menores, restava arriscar-se com uma falsa carteirinha de estudante. Mas o caminho não tinha volta e o encerramento das atividades foi inevitável. Alguns anos após seu fechamento, na gestão de Esperidião Cury, a prefeitura comprou o prédio, dando início à construção de um teatro. Em dezembro de 1988, a poucos dias do final do seu mandato, Esperidião inaugurou o Teatro Municipal Miguel Cury.

___continua após publicidade___

Mas com a diminuição de frequentadores, a chegada das locadoras de filmes e o fim dos chamados cinemas de calçada, o Cine Peduti acabou fechando as portas em 2002, e no local foi construído o Shopping Cinemarti, equipado com duas salas. Nesse intervalo, foi inaugurado na Rua Paraná, onde hoje existe uma igreja, o Cine Majestic, que se manteve apenas por um breve período.

Corredor de entrada do Cine Peduti.

Embora os antigos moradores guardem boas lembranças das idas ao cinema, o fato é que por todo o Brasil as antigas salas seguiram um roteiro muito parecido. Com o domínio da televisão e as facilidades tecnológicas, as salas de cinema foram se tornando obsoletas e boa parte delas se transformou em igrejas ou simplesmente foram demolidas.

A série 100 Anos Ourinhos tem o apoio da Fundação Educacional Miguel Mofarrej, mantenedora das Faculdades Integradas de Ourinhos e do Colégio Santo Antonio Objetivo.

Veja abaixo vídeo-teaser desta reportagem veiculada em redes sociais.

Para produzir este texto a equipe do Jornal Biz pesquisou em “Ourinhos: Memórias de uma cidade paulista”, de Jefferson Del Rios (Prefeitura de Ourinhos, 1992); site https://ourinhos.blogspot.com.br(Memórias ourinhenses); jornais “A Voz do Povo” e “O Progresso de Ourinhos”, disponíveis em http://tertuliana.com.br/docs/acervo. Foram entrevistados Tibério Bastos Sobrinho e Antônio Romane.
Fotos antigas: Acervo Francisco de Almeida Lopes; Grupo Ourinhos Sempre (Facebook).

CURTA O JORNAL BIZ NO FACEBOOK